AVALIAÇÃO DOS VINHOS DA ESPANHA

Já sabe da novidade? O Guia de Vinhos Selo 7 Sommeliers agora também no app, baixe já e fique por dentro da todas as avaliações, dicas de harmonização, comentários e muito mais! 

  APP - SELO

Para Apple:     selo7s 

                                                         Para Android:  selo7s 

 

ESPANHA

A avaliação dos vinhos espanhóis foi mesmo especial. Começando pelos convidados queridos que participaram, a casa estava cheia e festiva e para receber a todos, um amigo muito especial e talentoso: o jornalista Cesar Adames, que é também um chef de primeira,  preparou dois risotos deliciosos!

espanha

Há registros de que videiras eram cultivadas na Espanha desde 4.000 A.C. Sobrevivendo à passagem dos bárbaros e dos árabes no período da Idade Média, graças a uma pequena produção de vinhos para atender a Igreja. Com a doença que atingiu a França por volta de 1855, a filoxera, alguns produtores mudaram para Espanha levando consigo técnicas de produção e mudas de uvas, mais tarde a doença chegou lá também.  Foi a partir dos anos de 1990 que a indústria vitivinícola espanhola passou por grandes mudanças, modernizando-se no campo e na legislação, hoje o país é berço de alguns dos mais prestigiosos vinhos do mundo. A Espanha tem atualmente a maior área de vinhedos do mundo e é o terceiro maior produtor, ocupando a maior parte da Península Ibérica. Grande parcela do território espanhol está em um planalto central denominado meseta, situado a altitudes que variam entre 600 e 1000 metros acima do nível do mar e rodeado de cadeias montanhosas. Os tipos de solo variam muito de uma região para outra, assim como os microclimas. Nas áreas litorâneas, percebe-se a influência marítima, com clima mais fresco e úmido; no interior do país, o clima é mais continental, com verões mais frios e invernos rigorosos. E essa pluralidade se reflete nos vários tipos de perfis de vinhos espanhóis.

Uvas típicas

Maior quantidade de vinhedos plantados é de cepas brancas – Verdejo, Albariño, Xarel-lo e Viura – a fama dos vinhos espanhóis está ligada às uvas tintas genuinamente espanholas, como Tempranillo, Garnacha, Monastrell, Cariñena, Graciano, Mencía e Mazuelo. Mas também se produzem muitos rótulos a partir da internacionais Cabernet Sauvignon, Merlot, Sauvignon Blanc e Chardonnay.  Destaque para a  Tempranillo, cepa emblemática do país, cultivada extensamente por todo o norte e centro da Espanha. Com sua casca mais grossa e baixa acidez, quando plantada em áreas de clima moderado, mostra sua melhor faceta. Seu nome vem da palavra “tempro”, que significa “cedo”, provavelmente pelo fato de que a Tempranillo amadurece antes das outras variedades. É a espinha dorsal de muitos rótulos espanhóis.

Legislação espanhola

Denominación de Origen Protegida (DOP)

Indicación Geográfica Protegida (IGP).

Quaisquer vinhos que não se enquadrem nos critérios DOP ou IGP só podem ser rotulados como “Vino”.

Os vinhos DOP subdividem-se em:

Denominación de Origen (DO): vinhos que devem atender a especificações quanto às variedades de uva permitidas, modo de cultivo e localização dos vinhedos. Assim, apresentam um patamar mínimo de qualidade. Existem mais de 70 DOs e cada uma delas submete-se a seu próprio Conselho Regulador.

Denominación de Origen Calificada (DOCa): categoria mais prestigiosa do que a anterior, apenas DOs que existam há pelo menos 13 anos podem se alistar para se tornarem DOCa. Nos dias de hoje são apenas duas: Rioja e Priorat.

Vinos de Pago (VP): categoria que se aplica a uma propriedade (single estate) de reputação elevada. Para ostentar a denominação VP, a vinícola deve usar apenas uvas de vinhedos próprios, que devem ser vinificadas dentro da propriedade. O envelhecimento das garrafas também deve acontecer no local.

Vinos de Calidad con Indicación Geográfica (VCIG): categoria criada em 2003, é um passo intermediário entre VdlT e DO. As regulações são menos rígidas do que as previstas para DO e DOCa. Após ostentar o status VCIG por cinco anos, uma região pode alistar-se para tentar obter a certificação DO.

“Vino de la Tierra” (VdlT) é como são conhecidos os vinhos IGP. Somente duas regiões com status VdlT têm importância significativa comercialmente: VdlT de Castilla e VdlT de Castilla y León. Os VdlT espanhóis geralmente vêm de áreas que ainda não contam com status VCIG ou DO.

 

Acompanhe a avaliação e os resultados.

 

CLASSIFICAÇÃO 03 TAÇAS: 

Slide01

Slide02

Ave de Presa – Winebrands

 

Slide04

Slide03

Castillo de Liria – La Pastina

CLASSIFICAÇÃO 04 TAÇAS:

Slide05

Muriel – Winebrands

Slide06

Ontañon – Tahaa Vinhos

Slide07

Marques de Griñon – Winebrands

Slide10

 

El Gordo Del Circo – Mundovino Brasil

Slide09

Basconcillos – Almeria Importação e Exportação

Slide10

Riscal SL – Todovino

Slide20

 

Habla La Tierra – Mundovino Brasil

CLASSIFICAÇÃO 5 TAÇAS: 

SELO 7 S ESPANHA 2017 - 5 taças

Marques de Griñon Caliza – Winebrands

 

Slide13

 

Slide14Slide15Slide16Slide17Slide18Slide19Slide20Slide21Slide22Slide23Slide24

Cheers!

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s